TecnoPoiesis – Percursos dos media na poética de Melo e Castro

TecnoPoiesis - Percursos dos media na poética de Melo e Castro

Dissertação de Mestrado em Filosofia, por Francisco da Costa Espada, sobre obra de E. M. de Melo e Castro. [Resumos. Ligação]


Descrição > Título: TecnoPoiesis – Percursos dos media na poética de Melo e Castro | Autor: Espada, Francisco Alexandre da Costa | Dissertação de Mestrado em Filosofia apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra | Orientador: Pires, Edmundo Manuel Porém Balsemão | Issue Date: 27-Jul-2022 | Rights: openAccess

URI > http://hdl.handle.net/10316/102663

Resumo > Mais do que uma pretensão de total originalidade ou inventividade do projeto, o texto que se segue pretende, acima de tudo, compreender os pressupostos base e as condições possibilitavas tanto da prática poética quanto da compreensão teórica que Melo e Castro formula acerca da conceptualização do ato poético. Assim sendo, tendo como enfoque final o experimentalismo da poesia visual e sonora que E. M. de Melo e Castro cunhou, bem como a sua compreensão acerca da inter-relação entre a tríade poema-linguagem-comunicação, o texto divide-se da seguinte forma: Um primeiro capítulo dedicado a uma recompreensão do movimento Modernista, a partir da problemática da sua circunscrição periodológica, a par de uma possível categorização segundo seis noções fundamentais (“decadência”, “novidade”, “cidade-máquina”, “revolução”, “chocante” e “ruído”). Considera-se este mesmo capítulo como condição possibilitava da compreensão da noção de Vanguarda experimental (na qual Melo e Castro se insere) e da respetiva elaboração referente à relação estabelecida entre objeto artístico e compromisso social. É também de suma importância a evidenciação da novidade dos traços revolutivos da arte modernista, surgindo desta o emergir da plasticidade sígnica e da valorização do tratamento visual do horizonte artístico-literário. É a inventividade modernista que nos permite passar para um segundo capítulo que pretende dar conta da consequência imediata do experimentalismo literário que vigorou no Modernismo. Falamos aqui da abertura do horizonte circunscrito à textualidade e, portanto, dirigimo-nos a uma recompreensão da própria noção de “texto”. Assim sendo, o segundo capítulo é constituído segundo um mapeamento do tratamento semiótico da noção de texto como correspondendo à condição de possibilidade da articulação no tecido textual de um determinado tipo de imagética visual em consonância com a significância subjacente à palavra escrita: origem da textualidade visual (articulação entre o panorama icónico e o simbólico). Numa última fase do trabalho, na qual se coadunam os dois últimos capítulos, pretendeu-se incidir sobre o próprio horizonte artístico do autor em questão, começando pela sua inserção no panorama sociopolítico e cultural do seu tempo e, portanto, a compreensão do compromisso social e da influência externa que o concretismo internacional exerceu sobre a sua própria prática poética. Tendo como mote a importância do projeto concretista na prática poética de Melo e Castro, o quarto capítulo incide sobre a sua respetiva prática poética e sobre o inventivo cruzamento de sistemas sígnicos a partir da interceção e proliferação medial da sua efetivação.

Abstract > More than a pretension of total originality or inventiveness of the project, the text that follows intends, above all, to understand the basic assumptions and the possible conditions of both the poetic practice and the theoretical understanding that Melo e Castro formulates about the conceptualization of the poetic act. Therefore, having as a final focus the experimentalism of the visual and sound poetry that E. M. de Melo e Castro coined, as well as his understanding about the interrelation between the triad poem-language-communication, the text is divided as follows: A first chapter dedicated to a recomprehension of the Modernist movement, starting from the problematic of its periodological circumscription, along with a possible categorization according to six fundamental notions (“decadence”, “novelty”, “machine-city”, “revolution”, “shocking” and “noise”). This same chapter is considered an enabling condition for the understanding of the notion of the experimental Avant-Garde (in which Melo e Castro is inserted) and of the respective elaboration concerning the relationship established between artistic object and social commitment. It is also of utmost importance to highlight the novelty of the revolutionary traits of modernist art, from which develops the emergence of sign plasticity and the valorization of the visual treatment of the artistic-literary horizon. It is modernist inventiveness that allows us to move on to a second chapter that intends to account for the immediate consequence of the literary experimentalism that prevailed in Modernism. Here, we deal with the opening of the horizon circumscribed to textuality and, therefore, we address a recomprehension of the very notion of “text”. Thus, the second chapter is constituted according to a mapping of the semiotic treatment of the notion of text as corresponding to the condition of possibility of the articulation in the textual-fabric of a certain type of visual imagery in consonance with the underlying significance of the written word: the origin of visual textuality (articulation between the iconic and symbolic panorama). In the last phase of the work, in which the last two chapters are combined, we intended to focus on the artistic horizon of the author in question, starting with his insertion in the socio-political and cultural panorama of his time and, therefore, the understanding of the social commitment and the external influence that international concretism exerted on his own poetic practice. Having as a motto the importance of the concretist project in Melo e Castro’s poetic practice, the fourth chapter focuses on his respective poetic practice and on the inventive crossing of sign systems from the medial intersection and proliferation of its effectuation.