A modernidade líquida na ciberpoesia de Antero de Alda

A modernidade líquida na ciberpoesia de Antero de Alda

Artigo de Débora Silva sobre a poesia digital de Antero de Alda. [Resumo. Ligação]


In > Texto Digital. v. 8, n. 2 (2012). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288


Resumo > Este artigo propõe uma leitura das representações da “modernidade líquida” na obra de Antero de Alda, web-poeta português contemporâneo, que produz e dissemina sua poesia em meio digital. O autor, recorrendo à convergência de mídias, elabora suas páginas numa composição dinâmica e multidimensional pelo uso de recursos de áudio e vídeo, fotografia, animações, narrativas, poesia cinética e multimídia. A pesquisa desenvolveu-se a partir da análise, interpretação e exercícios de reescrita dos poemas disponíveis no sítio do autor, considerando-se as dimensões referencial e simbólica da linguagem poética e das suas produções hirpermídia. O cerne das análises, nesse enfoque, são as proposições de Zygmunt Bauman sobre as transformações socioculturais do início do século XXI, quando apresenta e discute o conceito de “modernidade líquida”, numa contextualização da literatura eletrônica.

Palavras-chave > Cibercultura; Modernidade líquida; Literatura eletrônica; Antero de Alda

Ligação > http://dx.doi.org/10.5007/1807-9288.2012v8n2p337