O Concretismo Brasileiro e a Poesia Experimental Portuguesa

O Concretismo Brasileiro e a Poesia Experimental Portuguesa

Artigo de Cristina Marques sobre relações entre a poesia concreta no Brasil e em Portugal. [Resumo. Referência]


Descrição > In: DIÁLOGOS – Revista de Estudos Acadêmicos, Artes e Cultura, v. 1, n. 1, 2007, pp. 16-29. d.o.i: 10.13115/2236-1499.2007v1n1p16

Resumo > O surgimento do Concretismo no Brasil em fins da decada de 50 marcou tambem o reconhecimento de um novo paradigma literario, que ate entao tinha passado despercebido das contextualizacoes criticas de analise do Modernismo brasileiro. Com o Concretismo a literatura passou a ter uma vertente de analise formalista que considerava a evolucao das formas poeticas como parâmetro de inventividade artistica e estetica. Sob palavras de ordem como “esta encerrado o ciclo historico do verso” e a “forma comunica” os poetas do grupo Noigandres, num primeiro momento, tomando uma atitude mais radical para poder vencer uma luta por espaco comunicativo na literatura brasileira partiram para o confronto com a poesia versificada. Exposicoes, artigos de periodicos, entrevistas e happenings marcaram esse primeiro momento. Decio Pignatari escreveu: “A poesia concreta, indo alem da aplicacao do processo tal como foi praticado por Pound, introduz no ideograma o espaco como elemento substitutivo da estrutura poetica: desse modo, cria-se uma nova realidade, espaco-temporal. O ritmo tradicional, linear, e destruido”(“Poesia Concreta: Pequena Marcacao Historico-Formal”). Esse primeiro momento dos concretistas, foi denominado por Haroldo de Campos de a fase “aurea” ou “heroica” da poesia concreta , e houve inclusive uma discussao para se definir se os concretos paulistas haviam sido os primeiros a inventarem a poesia concreta ou se parte do merito caberia ao suico-boliviano Eugen Gomringer. “A poesia concreta – como evolucao de formas – nasceu no Brasil e na Europa, atraves da pesquisa apartada de autores (Grupo Noigandres, de Sao Paulo, de um lado; Eugen Gomringer, Berna/Ulm, de outro) que tendiam para conclusoes comuns e realizacoes ate certo ponto semelhantes.” (SIMON, Iumna Maria. Poesia Concreta, p.90)