Arte da Performance, made in Portugal. Uma aproximação à(s) história(s) da arte da performance portuguesa

Arte da Performance, made in Portugal. Uma aproximação à(s) história(s) da arte da performance portuguesa

Livro de Cláudia Madeira publicado pelo ICNOVA em acesso aberto com aproximação às histórias da arte da performance em Portugal [Resumo. Ligação]


Descrição > TÍTULO: Arte da Performance, made in Portugal. Uma aproximação à(s) história(s) da arte da performance portuguesa | AUTORA: Cláudia Madeira | COLEÇÃO: Livros ICNOVA | EDIÇÃO: ICNOVA – Instituto de Comunicação da Nova, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/Universidade NOVA de Lisboa | ISBN: 978-972-9347-35-1 (Digital) 978-972-9347-36-8 (Impresso) | DATA DE PUBLICAÇÃO: 2020 | Publicação financiada por fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia no âmbito do projeto Ref.a: UIDB/05021/2020


Capa >


Resumo > “As histórias da arte da performance portuguesa, categoria artística que começou a ser assim nomeada a partir das décadas de 1960-1970, encontram-se em processo de construção e só recentemente têm vindo a ser inscritas na História da Arte. Para além de contributos teóricos fragmentários e focados essencialmente no percurso de artistas singulares que, de modo geral, acabaram por ser mais conhecidos pelas suas práticas artísticas menos performáticas (poesia, pintura, escultura), estas “histórias em processo” têm-se vindo a construir e a ganhar visibilidade, quer por via de exposições retrospetivas que têm apresentado alguns artistas e registos deste género artístico, quer por via de um retomado interesse por parte de novas gerações de artistas, performers, curadores e de investigadores. Este livro propõe-se apresentar uma aproximação às histórias da arte da performance portuguesa, elas próprias no seu caráter “performativas” e “especulativas”, compondo uma leitura aproximada sobre os seus ciclos na História, as suas múltiplas e híbridas ontologias e as relações imbrincadas e hibridismos entre a arte da performance e a performatividade social dos portugueses.”