Indo além da Estrangeirização/Domesticação Dicotómica em Tradução da Poesia Visual

Indo além da Estrangeirização/Domesticação Dicotómica em Tradução da Poesia Visual

Artigo de Sida Lang sobre tradução de poesia visual, incluindo obras de António Barros e E. M. de Melo e Castro. [Resumo. Ligação]


Dados > Lang, S. (2022). Indo além da Estrangeirização/Domesticação Dicotómica em Tradução da Poesia Visual. Revista Linguagem & Ensino, 25(1), 251-266. https://doi.org/10.15210/rle.v25i1.22186

Resumo > Estrangeirização/domesticação tem sido uma discussão recorrente no âmbito dos Estudos de Tradução, sobre a qual estudiosos importantes como Schleiermacher (1813, apud LEFEVERE, 1992), Nida (1964), Newmark (1981), Venuti (1992; 1995) formularam conceitos de modelo binário. Sob a forte influência da dicotomia, a complexidade da questão tende a ser ignorada, ficando cada vez mais distante da posição do próprio tradutor como sujeito de estratégias de tradução. Portanto, o nosso trabalho tem como objetivo trazer uma discussão a respeito da insuficiência da abordagem estrangeirização/domesticação na tradução de poesia visual, sobretudo do ponto de vista do tradutor. Estruturamos o trabalho em 4 seções destinadas a apresentar observações e questionamentos durante o nosso processo de tradução do português para o chinês. A reflexão sobre a dicotomia nos exemplos de tradução reais acabou por mostrar que a estratégia da estrangeirização/domesticação não foi viável na nossa prática, nem é inerente à tarefa de todos os tradutores. Tal discussãoé necessária e até urgente para objetos complexos e menos estudados no âmbito da tradução como a poesia visual.

Palavras-chave > Poesia visual, Estrangeirização-domesticação, Além da dicotomia, Tradução literária.

URI > https://periodicos.ufpel.edu.br/index.php/rle/article/view/22186