Itinerários do som: Miguel Azguime, uma arte literária dos meios

Rui Torres, Itinerários do som: Miguel Azguime, uma arte literária dos meios

Artigo de Rui Torres sobre Itinerário do Sal, de Miguel Azguime. [Resumo. PDF]


Descrição > Torres, R. (2017). Itinerários do som: Miguel Azguime, uma arte literária dos meios. In: Ofício Múltiplo – Poetas em Outras Artes, ed. Joana Matos Frias, Pedro Eiras, Rosa Maria Martelo. Porto: Edições Afrontamento, Colecção Fronteiras do Conhecimento / Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa. pp. 273-284. ISBN 978-972-36-1632-3.

Excerto da introdução > “Miguel Azguime investe a sua energia criativa em múltiplos ofícios: é performer/poeta, investigador/divulgador, compositor/intérprete. Este itinerário que aqui proponho, através da presença do som na ausência do autor/actor, será baseado numa reflexão acerca da sua ópera electroacústica O Itinerário do Sal, onde se verifica uma convergência de escritas híbridas que resultam do cruzamento dos ofícios elencados acima. Para evitar a dispersão que estas vozes híbridas convocam e encorajam, tentarei inscrever a sua “arte literária dos meios” no âmbito de uma poesia sonora (pelo menos no radicalismo das práticas experimentalistas); como espaço de manifestação de uma inter‑ e transmedialidade vibrante(s); e enquanto conjunto de operações ao nível de uma remistura profunda (“deep remixability”, conceito proposto por Lev Manovich), isto é, na relação intermedial da poesia com “aspectos” de áudio, vídeo e processamento electrónico em tempo real, integrados, não como mera remistura de conteúdos, mas antes na integração de técnicas, métodos e formas de representação e de expressão das várias linguagens em que Azguime actua.”

Ligação externa (PDF acesso aberto) > https://hdl.handle.net/10284/7004