Da poesia visual concreta à poesia virtual concreta: a ciberliteratura na sala de aula

Da poesia visual concreta à poesia virtual concreta: a ciberliteratura na sala de aula

Artigo de Cynthia Neves sobre utilização da ciberliteratura em contextos pedagógicos. [Resumo. Ligação]


Descrição > NEVES, Cynthia Agra de Brito. Da poesia visual concreta à poesia virtual concreta: a ciberliteratura na sala de aula. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 124-146, nov. 2010. ISSN 1676-2592. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/845>. doi:https://doi.org/10.20396/etd.v12i1.845.


Resumo > A acusação de que o jovem aluno do século XXI não se forma leitor tornou-se senso comum em sala de professores e em conversas de adultos. Despertar no aluno o prazer do texto também tem sido tarefa árdua para muitos docentes que se veem entre os muros de uma escola ainda tão tradicional como a brasileira. Sem descartar a importância da leitura dos clássicos, é imprescindível, contudo, que a escola – e, metonimicamente, o professor – atraia o aluno-leitor para a nova era da ciberliteratura. Esta promoveu uma revolução na história da leitura – do códex ao hipertexto – e ascendeu a função do leitor, o qual se tornou mais ativo, um hiperleitor, apagando assim a função de autor, outrora merecedor de status. Seja através da hiperficção, da hiperpoesia ou do metalivro, a ciberliteratura resgata e dá continuidade ao experimentalismo universal na escrita, no som e na imagem, inaugurado pelas vanguardas europeias e pela poesia concreta – embrião da poesia virtual. Promover a interação do aluno com a poesia animada pelo computador – eis um novo desafio para a educação. Palavras-chave > Leitura poética. Poesia concreta. Ciberliteratura.


Ligação > https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/845