ANAGRAMAR: presença do anagrama em obras verbivocovisuais e plásticas de língua francesa e portuguesa dos séculos XX e XXI

ANAGRAMAR: presença do anagrama em obras verbivocovisuais e plásticas de língua francesa e portuguesa dos séculos XX e XXI

Dissertação de Anne Courtois sobre anagramas e poesia experimental, incluindo Ana Hatherly no corpus de autores estudados. [Resumo. Ligação]


Dados > Autora: Anne Courtois | Título: ANAGRAMAR: presença do anagrama em obras verbivocovisuais e plásticas de língua francesa e portuguesa dos séculos XX e XXI | Editora: Universidade Estadual Paulista “Júlio De Mesquita Filho” – Instituto de Artes (Unesp) | Data: 2021 | Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Artes, Mestre em Artes | Orientador: Prof. Dr. Omar Khouri

Resumo > Esta pesquisa tem por objetivo estudar o modo operatório do anagrama em obras plásticas e poético-visuais do século XX e XXI de língua portuguesa e/ou francesa. A escolha do tema e seu recorte foram instigados pela provocação criativa que a autora, artista plástica francesa radicada no Brasil, encontrou em anagramas da língua portuguesa. Seu estudo foi norteado pela reflexão da Poeta Experimental portuguesa Ana Hatherly (1929-2015), tendo como ponto de partida uma citação do encarte Mapas do Imaginário e da Memória de 1973, a qual sugere que o modo de construir um anagrama pode ser considerado paradigma do ato criador. Partindo da definição do anagrama e do levantamento histórico da sua função poética, o estudo exemplifica o papel desse jogo combinatório em obras de Ana Hatherly, Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari, Marcel Duchamp e Jean Dupuy, como também em produções da própria autora. Além da reflexão teórica desenvolvida por esses artistas, a discussão apoia-se em estudos de Ferdinand de Saussure, Jean Starobinsky, Abraham Moles, Jean Baudrillard, Michel de Certeau e Pierre-Yves Testenoire.

Palavras-chave > Anagrama, Poesia visual, Poesia experimental, Arte combinatória

URI > http://hdl.handle.net/11449/236314