Nova edição de “Electrografias” de António Aragão (Busílis, 2019)

Publicação de Electrografias, de António Aragão. [Capa. Ligações]



Dados da publicação > Editora: Busílis | Local: Porto | Ano: 2019 | Formato: 148×210 | Nº de páginas: 218 | ISBN: 978-989-8582-65-2

Ligação para compra > https://www.trintaporumalinha.com/product-page/electrografias


Sinopse > Obra construída através de uma exploração criativa da fotocopiadora, Electrografias apresenta trabalhos contaminados por efeitos de arrastamento, desgaste e distorção. Ao atingirem a imagem e a palavra, estas acções estético-performativas contribuem para a emergência de uma poética do excesso em que a iconoclastia da imagem e o nonsense da palavra se cruzam numa conjugação que tem tanto de humorístico quanto de violento. Electrografias reúne num só volume três obras originalmente publicadas em 1990, agora expandidas com um conjunto de inéditos provenientes dos arquivos de César Figueiredo e de Fernando Aguiar.

Sobre o autor > António Aragão (Madeira, 1921-2008), poeta, escritor, pintor, historiador, foi um dos mais activos autores da poesia experimental portuguesa. Organizador da revista Poesia Experimental (1964 e 1966), participou nas principais iniciativas do experimentalismo literário em Portugal bem como em inúmeras exposições, revistas e projectos no estrangeiro. O seu domínio de acção artístico-literária estende-se da poesia experimental à poesia concreta e visual, abarcando ainda a ficção experimental, o teatro e a electrografia. O conjunto da obra de António Aragão é marcado por uma acutilante visão crítica do mundo, dos discursos e dos poderes instituídos. Esta perspectiva incisiva expressa-se através de uma não menos radical materialidade do texto e da imagem. (Ver Bibliografia de António Aragão [Linha cronológica interativa])


Texto introdutório de Bruno Ministro > Invenção, destruição: O ininterrupto gesto de pensar o mundo de forma arriscada