PALAVROFAGIA: variações

PALAVROFAGIA: variações

Obra do colectivo Wreading Digits em três momentos: Absorção, Devoração, Consumição. [Texto. Imagens]


Calar-se não é ser mudo, é recusar falar, portanto falar ainda. (Jean-Paul Sartre)

Por entre os processos centrípetos/centrífugos de rarefacção que permeiam a comunicação, uma sequência de processos palavrofágicos por meio do qual a palavra é devorada, mastigada, digerida e devolvida, para de novo ser engolida. Apresentando-se sob a forma de três variações – “Absorção” (instalação fotográfica), “Devoração” (publicação em papel e tinta comestíveis), “Consumição” (interface digital) – a série “PALAVROFAGIA” pretende explorar possibilidades intermediais e transliterárias de representação da palavra poética. Da visão háptica na fotografia/cromatografia ao toque háptico na poesia digital, passando pela multisensorialidade do livro comestível, esta série sugere uma contaminação constante entre tecnologias analógicas e digitais, representada por três formas geométricas mutáveis de disposição da palavra.


Ligação > http://wreading-digits.com/consumicao


ABSORÇÃO: variação palavrofágica cromatográfica [Autoria: Diogo Marques, Carolina Martins, Valter Ramos]

Sinopse > Etapa iniciática do processo palavrofágico – acto de devorar, mastigar, digerir e devolver a palavra, para de novo ser engolida –, “ABSORÇÃO” explora a associação entre a arte fotográfica e a técnica cromatográfica, enquanto representação mutável de um paradoxo entre estética e poética. Da necessidade de sentido na leitura do texto poético à substituição deste pelo espectro colorido que se vai alimentando do texto, em “ABSORÇÃO” joga-se com a presença e ausência da palavra, em constante transformação.


DEVORAÇÃO: variação palavrofágica consumível [Autoria: Diogo Marques, Carolina Martins]

Sinopse > Estádio intermédio da série “PALAVROFAGIA”, “DEVORAÇÃO” constitui-se como um acto de dessacralização do objecto-livro, ora consumível ora comestível, no qual a palavra se toma de corpo e alma tornando-se carne e espírito, renascendo, assim, a cada ciclo.


CONSUMIÇÃO: variação palavrofágica digital [Autoria: Diogo Marques, Carolina Martins, João Santa Cruz; Vozes:  Tiago Schwäbl e Mariana Oliveira]

Sinopse > Fase derradeira de “PALAVROFAGIA”, “CONSUMIÇÃO” apresenta-se enquanto variação palavrofágica digital de uma sequência que tem como ponto de partida o paradoxo entre ruído e silêncio que permeia a linguagem e a comunicação. Num choque de forças entre o excesso palavrofágico e a redução de palavras ao (quase)silêncio, que a um tempo se esgota e se renova, na forma de uma espiral, nas curvas que giram em torno de um determinado ponto, dele se afastando ou aproximando segundo uma determinada lei, abre-se espaço à consumição de palavras, que se devoram, mastigam, digerem, e se devolvem, para de novo serem engolidas.


Vista da Exposição / Instalação >


[Agradecemos ao colectivo Wreading Digits a autorização que permitiu disponibilizar estas obras no Arquivo Digital da PO.EX]