Abílio-José Santos. Revelação: Concretos e Visuais

Primeira de 3 exposições de Abílio-José Santos no Fórum da Maia. [Textos. Imagens. Ligações]


Fórum da Maia / Centr’Arte, 4 de julho a 8 de setembro de 2019


Abílio-José Santos. Revelação: Concretos e Visuais

Natural da Maia, Abílio-José Santos (1926-1992) foi poeta, desenhador e projectista. Este artista, com uma grande produção entre os anos 60 e 90, deixou-nos um vasto legado, o qual é revelado, agora, numa exposição que se completa em 3 momentos ao longo de 3 anos, acompanhando as Celebrações dos 500 Anos do Foral da Maia, nas galerias do Fórum.


Ficha técnica >

Organização: Câmara Municipal da Maia – Pelouro da Cultura | Coordenação geral: Mário Nuno Neves | Coordenação Executiva: Sofia Barreiros | Curadoria: Cláudia Melo, Rui Torres | Consultadoria Científica: Rui Torres | Pesquisa Documental: Bruno de Carvalho | Montagens: Rui Menezes e Rui Pinto | Agradecimentos: Bruno de Carvalho e restante família de Abílio-José Santos


REVELAÇÃO: CONCRETOS E VISUAIS

Texto dos curadores, Cláudia Melo e Rui Torres >

“Revelação: concretos e visuais” é um início. É generosidade e orgulho. Uma descoberta dialógica entre sujeito e obra. Abílio revela-se, aqui e agora, na sua dimensão artística mas também humana.

A sua obra, produzida maioritariamente entre os anos 60 a 90, é extensa, experimental, política, sensível, crítica, plena de interpelações inteligentes e sagazes. É tão diversa nas práticas, expressões e suportes, como coerente, assumindo o carácter experimental como modo de expressão.

Genial transgressor, Abílio foi um artista que se encontrou na poesia experimental apontando pequenas grandes revoluções estéticas, quer através da sua politização, quer questionando os géneros artísticos, a sua fusão, relação e consequente reflexão, assuntos que prevalecem até à contemporaneidade.

Nesta primeira exposição revelam-se trabalhos de poesia visual e concreta nos quais as propostas entre os signos possibilitam novas construções estruturais quer através do desenho quer através das elasticidades das figuras com neologismos e paranomásias.

Este momento expositivo configurava-se urgente e inevitável pois o vasto legado de Abílio-José Santos, propõe-se, aqui, como um importante contributo não apenas para a história da poesia experimental Portuguesa, mas também das múltiplas práticas artísticas com que dialogou.

Abílio, por isso, concreto e visual, mas sempre em fronteira, cruzando múltiplas técnicas (desenho, colagem, foto-montagem, fotocópia), meios (serigrafia, tinta da china, tipografia expressiva), suportes (papel reciclado, cartão, papel texturizado, embalagens e objectos quotidianos).

Abílio revelação, revelação de Abílio: desconhecido e inquietante, interrogativo e humano, interventivo e subterrâneo, inconformista e auto-didacta, subversivo e independente. Abílio revelado.


Parte 1 (Trabalhos visuais expostos nas paredes das galerias) >

[Fotografias de Ana Pereira, cortesia Câmara Municipal da Maia]


Parte 2 (Objectos e brochuras em expositores) >

[Fotografias de Ana Pereira, cortesia Câmara Municipal da Maia]


EXPOSIÇÃO PARALELA “RE:A-JS (DEVE LER-SE REAGE-SE)”

Criada no âmbito de “Revelação: Concretos e Visuais”, a exposição paralela “re:A-JS (deve ler-se reage-se)”, com curadoria de Rui Torres, Bruno Ministro e Diogo Marques, apresenta leituras e releituras de obras de Abílio-José Santos, desse modo homenageando e expandindo as poéticas experimentais do autor, através de interpretações vocais e remediações digitais e eletrónicas. Textos de Abílio são interpretados por atores (Américo Rodrigues, Anabela Garcia, Nuno M Cardoso e Sandra Salomé), obras concretas e visuais são recodificadas digitalmente, através de processos de animação, geração textual combinatória e instalações interativas com sensores (por Bruno Ministro, Diogo Marques, Luís Aly, Luís Leite, Luís Lucas Pereira, Marco Jerónimo, Rui Torres e wr3ad1ng d1g1t5) e com trabalhos visuais impressos em cartazes (por César Figueiredo e Luís Lucas Pereira). Reage-se dialogando com as revelações da obra de Abílio.

Imagens de “re:A-JS (deve ler-se reage-se)” >

[Fotografias de Ana Pereira, cortesia Câmara Municipal da Maia]

Descrição e Ligações para Obras >

Imagem 1 – Escrita Negra, Bruno Ministro, 2019. Releitura de obra visual de Abílio-José Santos, s.d. HTML, JavaScript, CSS, Pixelsynth (Olivia Jack)

Imagem 2 – O equilibrista, Luís Lucas Pereira e Filipa Pereira, 2019. Animações e interações a partir da obra de Abílio-José Santos, 1991. HTML, JavaScript

Imagem 3 – sem título, Luís Lucas Pereira, 2019. Animações e interações a partir de obras de Abílio-José Santos, 1987. HTML, JavaScript

Imagem 4 – Interrogações, Rui Torres, Bruno Ministro e Diogo Marques, 2019. Geração textual combinatória a partir de obra de Abílio-José Santos, in: Poéticas visuais, 1985. HTML, JavaScript [poemario.js de Rui Torres e Nuno Ferreira], CSS

&& era uma vez uma gata, Rui Torres, 2019. Geração textual combinatória a partir de obra de Abílio-José Santos, 1991. HTML, JavaScript [poemario.js de Rui Torres e Nuno Ferreira], CSS

Imagem 5 – Baladas tripeiras, wr3ad1ng d1g1t5 (Ana Gago, Diogo Marques, João Santa Cruz), 2019. Obra interativa com base em “Três Baladas Tripeiras”, in: O Futuro Defunto que se Parece Comigo; e “Tríptico Tripeiro”, in: Trabalhos visuais dispersos. 1984-1991. HTML5, JavaScript

Imagem 6 – manifesto à cidade dum trabalhador fabril-técnico de desenho artista autodidacta amador dadaísta, Sandra Salomé, 2019. Leitura de manifesto de Abílio-José Santos, 1974. Captura de vídeo: Lab_TV da Universidade Fernando Pessoa (a partir de 4’11”)

&& Carta a Vinicius, Sandra Salomé, 2019. Leitura de texto de Abílio-José Santos, 1969. Captura de vídeo: Lab_TV da Universidade Fernando Pessoa

Imagem 7 – Espelho, wr3ad1ng d1g1t5 (Ana Gago, Diogo Marques, João Santa Cruz), 2019. Instalação interativa com base na obra de Abílio-José Santos, in: V(l)er, 198?. HTML5, JavaScript

Imagem 8 – [Voo Ovo Voa Ave], Luís Leite – programação, Luís Aly & Marco Jerónimo – som, 2019. Instalação interativa a partir de poemas de Abílio-José Santos, in: Lidança, 1968. Unity3D, FMOD, Leap Motion

Imagem 9 – Ditador, Luís Leite – programação, Luís Aly & Marco Jerónimo – som, 2019. Instalação interativa a partir de poema de Abílio-José Santos, in: V(l)er, pp. 75-79. eMotion, Kinect

Imagem 10 – César Figueiredo, Meeting (Abílio-José Santos), 2018-19

E ainda…

Imagens para MUPIs: Luís Lucas Pereira a homenagear Abílio-José Santos… >

Imagens de Abílio-José Santos colocadas em MUPIs da Maia >


V(l)er obras do autor > https://po-ex.net/tag/abilio