Secção 9 >

Texto-Som (Leitura) >

Américo Rodrigues, “e-qui-li-brrrrr-iô”, para voz com mão contra a garganta, em jeito de alongamento. Como explicou Isou: “Destruir palavras em favor de outras palavras.” Alongamentos. Amplitude. O entendimento auditivo que cabe à poesia fonética libertar. A libertação de toda a prosa."]

Manuel Portela: "Em “e-qui-li-brrrrr-iô”, que fecha o CD [Escatologia], encontramos uma arte poética sobre a sua prática sonora. O ponto de equilíbrio, sempre precário, para o poeta que tritura e mastiga as palavras é também um ponto de interrogação: o ponto de interrogação que esta obra constitui como investigação das possibilidades expressivas do aparelho fonador como máquina de música e de poesia; e o ponto de interrogação sobre o seu próprio caminho e sobre as formas que nesse caminho se lhe oferecem. Outro ponto de equilíbrio é o ponto de equilíbrio entre poesia e música que Américo Rodrigues tem procurado atingir através da interpretação das suas obras num contexto de improvisação musical, em geral acompanhado por instrumentos de sopro, contrabaixo, percussão e objectos diversos."

Américo Rodrigues, "E-qui-li-brrrrr-iô"


Ou então, como ler? >

Cras! Bang! Boom! Clang! / Manuel Portela (1991)


Processo/manipulaçao (Kyma) >

Luís Aly: Urdidura espectral


E que role a RoletAly (FortunAtely)!