Secção 8 >

Som-Texto (Poema sonoro) >

Salette Tavares, kinetofonias “Ri m ri ri” e “Taki taki”


Texto-Som (Leitura) >

Kinetofonias de Salette Tavares, “Ri m ri ri” e “Taki taki”, ambas de 1963. A palavra é tomada, na poesia experimental, como objecto multimodal. Aliando a esta verbovocovisualidade a atomização e a rarefação vocabular, temos como resultado uma aparente imperceptibilidade das origens fonéticas de toda a realidade linguística. Estes elementos mínimos da linguagem são tomados como ponto de partida para uma estetização dos próprios sons da linguagem, ganhando autonomia relativamente ao contexto maior em que se aprisionam no quotidiano. Nestes poemas, o trabalho semântico é abandonado, em detrimento do valor estético. “Ri m ri ri” e “Taki taki” pela voz de Américo Rodrigues. (RT)

Américo Rodrigues, “Ri m ri ri” (Salette Tavares)

Jorge dos Reis, “Ri m ri ri” (Salette Tavares)

[Performance "O leitor compulsivo de alfabetos" | Interpretação fonética dos poemas visuais de Salette Tavares, Galeria Diferença, Lisboa, 3 de Fevereiro 2011]

Américo Rodrigues, “Taki taki” (Salette Tavares)


Processo/manipulaçao (Kyma) >

Luís Aly: Ritmo euclidiano


E que role a RoletAly (FortunAtely)!