Natural de Lisboa, José Oliveira (1959-) vive e trabalha na Cruz Quebrada desde o ano 2000. Auto-didacta, frequentou o curso de Antropologia e Etno-Musicologia da Universidade Nova. Diversos cursos livres sobre história e prática da arte.


Activo na rede de Mail-Art desde 1990. Performances e prática de poesia linear e visual desde 1980. Activo na música improvisada, como percussionista desde 1978. Diversos discos gravados e inúmeros concertos, em Portugal e no estrangeiro. Poemas visuais publicados nas revistas Aquilo-cadernos de poesia (Guarda), O Mono da Tinta (Galiza) e Boca de incêndio da Guarda, todas já extintas. Colaboração de poucos meses no suplemento DN-Jovem nos anos 80. Em 1988 venceu o Prémio revelação de Poesia Inasset, que deu origem ao livro Melancolismos (poesia linear).


Actualmente, e para além da poesia visual, desenvolve intensa investigação e prática de criação de Livros de Artista, tendo, para além dos por si criados, um vasto arquivo deste tipo de expressão artística (únicos e múltiplos). Entre 2002 e 2007 realizou três exposições individuais de Livros de Artista (galeria LAG, Lisboa e Biblioteca Municipal de Odivelas). Inúmeras exposições colectivas em Portugal e no estrangeiro.