Natural do Porto, Alfredo Costa Monteiro (1964) licenciou-se em escultura-multimédia, pela Escola Nacional Superior de Belas Artes de Paris, em 1992, ano em que se mudou para Barcelona, onde vive atualmente. Foi membro de espai 22a, coletivo de arte contemporânea, entre 1998 e 2006 e de IBA col.lectiu d'improvisació, no qual desempenhou as funções de curador, e organizador de mais de cem concertos nos festivais Improvisa (2000-2003), Mínim (2004-2008) e Experimental Music Week, na Metrònom (2005) de Barcelona. Atualmente é membro de Crater-lab, um laboratório de cinema experimental, também de Barcelona. Muito ativo na cena internacional das músicas experimentais e improvisadas, a sua obra integra som, poesia sonora, poesia visual, instalações e arte sonora em geral. Foi vencedor do prémio Palma Ars Acústica 2017.


A suas peças sonoras, de caráter principalmente low-fi, têm em comum um interesse por processos instáveis, matérias brutas e restrições conceituais, onde a manipulação de objetos como instrumentos ou instrumentos como objetos têm um forte aspecto fenomenológico. Acostumado a lidar com os extremos do som, desde solos acústicos para papel até concertos onde o volume adquire uma presença literalmente física, trabalha desde 2001 em vários projetos de música improvisada e experimental, utilizando cada vez uma instrumentação diferente, como o acordeão, o gira-discos manipulado, a guitarra preparada, vários dispositivos eletro-acústicos, sintetizadores ou objetos ressonantes, para dar a esses projetos múltiplas direções e identidades. No âmbito da poesia sonora, o seu trabalho centra-se na musicalidade da linguagem e no seu conteúdo fonético, sempre tentando manter um equilíbrio com a semântica. Os seus poemas são geralmente ruidosos e poliglotas (principalmente em português, espanhol e francês) e usam sistemas combinatórios baseados em sons comuns a essas línguas, para criar múltiplos significados que muitas vezes levam à confusão e desafiam a compreensão. Tem inúmeras gravações publicadas em editoras europeias, norte-americanas e japonesas, tem dado workshops por toda a Europa e tem colaborado com artistas sonoros, músicos, cineastas, coreógrafos, artistas visuais e video-artistas do mundo inteiro.


Obras principais > Entre as suas obras de poesia sonora e visual, refiram-se: Exit (L'Ovni Tendre, 2001), Mite (L'Ovni Tendre, 2003), Aléa (2006), Axiomáticas (Fundación 30km/s, 2006), Nuée (2007), Déferlante (CeQuiSecret, 2012), Atacama (2013), Dépli (po&psy, 2013), Biotope & Ecotone (Geraeuschmanufaktur, 2014), Anima (Lenka Lente, 2016).


Página do autor > http://www.costamonteiro.net/