LA glasses

ao cimo das escadas, a peça,
as escadas estreitas,
o espaço apertado.

a subida circular,
entre paredes altas,
estreitas e brancas,
como nas torres das basílicas e catedrais.

e ao cimo das escadas, a peça,
a presença.

distância e proximidade,
temperaturas afectivas,
o som, a mente, a visão
a voz que enche o espaço.

e a peça pertence à voz,
evoca-lhe as mãos,
o corpo, o ser,
ainda que a partir da aparência.

som e objecto congregam uma pertença,
uma materialidade
imaterial,
uma imaterialidade
emanada da matéria.

ao cimo das escadas, a peça,
e esse movimento mágico,
o da aura.


[Ilda Teresa de Castro, 06.03.2012, em Vulto Limite. Leitura da "peça", memória do objecto-poema "VerDade", de António Barros, com o som de "O Superman" de Laurie Anderson ao fundo, ("LA glasses"), Residência ateliê Rive Gauche, Calçada de Santa Isabel, Coimbra, 1984]


Ver tb >