Este texto faz parte de Dossier de Homenagem a José-Alberto Marques. Leia outros textos e releituras em > Homeóstatos de José-Alberto Marques: Uma Homenagem pelo Arquivo Digital da PO.EX.


Fs = μs Fn

Where,
Fs is static friction,
μs is the coefficient of static friction and
Fn is the normal force



Talvez a melhor releitura de Homeóstatos de José-Alberto Marques passasse por isolar os seus versos-base, inseri-los na corrente sanguínea por via intravenosa e observar de que forma as palavras vão mutando com o passar do tempo.

Numa primeira fase, os versos-base de Homeóstatos foram gravados por três vozes, dando origem a um banco de dados sonoro. Em teoria, este banco contém todas as variações lexicais possíveis de serem geradas por via combinatória, uma vez que todos os sons de cada verso dos homeóstatos são a recombinação das partículas sonoras do respectivo verso-base.

Posteriormente, por meio da fragmentação, manipulação e combinação permutativa livre, foi operado um conjunto de procedimentos sobre o material do banco de dados, o que deu origem à instanciação sonora Fs = μs Fn tal como aqui se apresenta.

A sonoridade de Fs = μs Fn oculta o banco de dados complexo que o alimenta. É dado destaque ao material vocálico em nuvens sonoras formadas por três vozes simultaneamente em diálogo e tensão. O material consonântico é remetido para pano de fundo, construindo recortes estruturais quase imperceptíveis no ambiente acusmático que suporta a imersão auditiva.

A voz na máquina, a máquina na voz, ecossistema de sinapses para-proto-fonéticas: Fs = μs Fn explora a interioridade de um equilíbrio precário, inaudível tantas vezes, a partir de um conjunto de quase possibilidades assumidamente falhadas num processo de ruína e desmembramento semiótico. O texto que daí resulta é uma imagem acústica da sístole voco-verbal, sinal inequívoco da decadência e falência das aporias das encruzilhadas semióticas orgânicas.


Conceito, autoria e aparelhos fonadores humanos > Bruno Ministro, Nuno Miguel Neves, Sandra Guerreiro Dias.


Material de base > Homeóstatos (1 a 9 + A) de José-Alberto Marques; "Cosmic Poem from Outer Space" de Tomomi Adachi e Akihiro Kubota.


[Recomenda-se o uso de fones.]