Texto do comissário

Brevemente disponível


Texto do autor

Esta exposição é constituída por um conjunto de objetos em diversos meios, produzidos entre 1988 e 2013. Ao usar o conceito ‘escreler’ para referir todos os objetos, pretendo criar um ponto de vista que permita apreendê-los, na sua diversidade medial e formal, como experiências sobre a retroação da leitura na produção da escrita. Quando percecionados como intervenções materiais para produção de sentido, estes objetos tornam possível perceber a contiguidade entre meios e técnicas enquanto formas inscricionais da experiência, da linguagem e do pensamento. Quando percecionados como campos de legibilidade, mostram-se como dispositivos reflexivos para apreender a performatividade da leitura ao interagir com uma determinada notação. O que se sugere através desta dupla perceção é a dinâmica de codependência entre atos inscricionais e atos de leitura. ‘escreler’ tenta criar o ponto de vista necessário para observar essa dinâmica, através da qual diferentes géneros e práticas de escrita (tradução, ensaio, poesia, narrativa, teatro, blogue) e diferentes modalidades de inscrição (escrita, impressão, pintura, colagem, registo sonoro, registo vídeo, registo digital, registo fotográfico, performance, exposição) se dão a ver como atos de escrita que dramatizam materialmente a sua ativação através de atos de leitura. Além de testemunhar um determinado trajeto no âmbito da poética experimental, a exposição ‘escreler’ interroga o próprio conceito de escrita, chamando a atenção para a natureza produtiva da leitura e evidenciando a contiguidade entre múltiplos registos da escrita.


Textos sobre Manuel Portela