Poesia espacial > Forma de poesia baseada em processos de intersemiose nos quais se invocam e usam de um modo expressivo vários sistemas de signos (visuais, sonoros, verbais, cinéticos, performativos) e de materialidades (tridimensionais, objectuais, mediáticas).

[Materialidades Tridimensionais > Obras tridimensionais, permanentes ou efémeras, apresentadas ou instaladas em galerias de arte, edifícios, parques e outros espaços públicos ou privados: Assemblages, Esculturas, fotografias e registos audiovisuais de Instalações, Livros de Artista e Poemas-objecto]


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-amor-te

aMor(te)

António Barros

aMor(te), 1980 • Coimbra • Colecção da Fundação Serralves | Museu de Arte Contemporânea do Funchal


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-ex-patriar

Ex_Patriar

António Barros

Ex_Patriar, 2011 • Coimbra [Obgesto | revisitação do texto PO.EX no contexto da contundente emigração em 2012] • Colecção do Museu da Fundação Bienal de Cerveira


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/abilio-ar-bento

Abílio-José Santos - Objectos poéticos feitos a partir de pacotes de leite, embalagens de queijo e pratos descartáveis, assinados por Abílio e carimbados como Poesia Visual | Colecção da Família de Abílio-José Santos


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-autista

Autista

Autista, 1985 • Coimbra • Colecção da Fundação de Serralves


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-insulae

Insulae

Insulae, 2010-2012 • Coimbra - Funchal [Obgesto | rituais de emancipação]. Na primeira fotografia, Insulae ao fundo e aL(a)ma à direita, em [ a l p h a b e t ] EVENT, com António Dantas, Galeria dos Prazeres, 2012 • Colecção Particular

> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/abilio-manifestos-lixarte-1-e-2

Manifestos Lixarte 1 e 2

Abílio-José Santos


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/salette-tavares-objectos-brincar

Objectos de Salette Tavares. Fotografias da autoria do artista José de Guimarães. Espólio da família de Salette Tavares.

Ourobesouro >

[1965; Cristal e ouro]

Maquinim >

[1963; Mobile em aço inoxidável]

Bailia de Ayras Nunes de Santiago >

[1979; Aço cromado | Obra recentemente recuperada segundo o projecto original | Coleção CAM/Gulbenkian]


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-aragao-poema-vermelho-e-branco

Autor: Aragão, António | Título: Poema vermelho e branco | Data: 1971 | Local de publicação: Funchal | Editora: A. Aragão | Formato: [Envelope] | Tamanho: 19 x 19 cm | Número de páginas: 2 f.


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/e-m-de-melo-castro-poemas-cineticos

E. M. de Melo e Castro | Poemas cinéticos | Data: 1966 | Local de publicação: Lisboa | Editora: Galeria 111 | Formato: [Brochura] | Número de páginas: 6 f. | Características da publicação: il.; p&b | Tamanho da publicação: 21 cm | Descrição: Exposição realizada em Junho de 1966 na Galeria 111, Lisboa.


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/fernando-aguiar-rede-de-canalizao

Fernando Aguiar | Rede de canalização: uma intervenção consoante | Data: 1987 | Local de publicação: Almada | Editora: F. Aguiar | Número de páginas: 60 p. | Características da publicação: il.; cor | Tamanho da publicação: 16 cm

Pressuposto ou a atitude >

Ruptura ou o curto-circuito >


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-revolucao

Revolução

António Barros

Revolução, 1977 • Coimbra | Museu de Serralves, 1999 | Museo Vostell Malpartida, Espanha


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-silencio

Silêncio

António Barros

Silêncio, 1979-2010 • Malpartida-Coimbra [Obgesto | Semana de Arte Contemporânea de Malpartida, Cáceres, MVM-Museo Vostell Malpartida, Espanha] • Colecção do Autor | Silêncio, 1979-2010 e Vacu_idade, 2009 [Exposição "Obgestos", "Line Up Action", Casa das Caldeiras, Universidade de Coimbra]


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/fernando-aguiar-soneto-ecologico

Fernando Aguiar | Soneto Ecológico | 70 árvores s/ terra, 110x36 metros | Data: 2005 | Apoio: Câmara Municial de Matosinhos.

<p><br /><small><a style="color: #0000ff; text-align: left;" href="https://maps.google.pt/maps?f=q&amp;source=embed&amp;hl=pt-PT&amp;geocode=&amp;q=Rua+Seara,+Matosinhos,+portugal&amp;aq=t&amp;sll=37.221852,-18.827505&amp;sspn=10.700227,20.566406&amp;ie=UTF8&amp;hq=&amp;hnear=Rua+Seara,+Matosinhos,+Porto&amp;ll=41.187805,-8.673205&amp;spn=0.001235,0.002511&amp;t=h&amp;z=14">Ver mapa maior</a></small></p>

[Património Natural > As plantações que constituem o soneto ecológico, são constituídas por Pinheiro Manso (Pinus pinea), Amieiro (Alnus glutinosa), Ulmeiro (Ulmus minor), Freixo comum (Fraxinus angustifolia), Cipreste (Cupressus sempervirens), Cedro-do-Buçaco (Cupressus lusitanica), Carvalho alvarinho (Quercus robur), Bidoeiro (Betula celtiberica), Sobreiro (Quercus suber), Azevinho (Ilex aquifolium) com uma bordadurade Fotínia (Photinia x fraseri)]

Fernando Aguiar: "No dia 20 de Março de 2005, e para concluir um mês de actividades dedicadas ao ambiente e à natureza, foram plantadas em Matosinhos as 70 árvores que constituirão o maior soneto do mundo - o "SONETO ECOLÓGICO". (...) O "SONETO ECOLÓGICO" é um poema sobre a natureza "escrito" com elementos da própria natureza: árvores. Trata-se de uma instalação ambiental constituída por 70 árvores organizadas por 14 filas com 5 árvores cada uma, correspondentes aos 14 versos da estrutura do soneto, distribuídas por duas quadras e os dois tercetos (4+4+3+3). Para que o soneto também tenha rima, as árvores com que começa e termina cada fila alternam, de modo a configurarem a rima tradicional (alternada) do soneto: A, B, A, B (por exemplo, Sobreiro, Carvalho, Sobreiro, Carvalho)."

Esquemas e maquetes >

Apresentação do 'Soneto ecológico' no âmbito da exposição 'EX.PO / PO.EX (1982-2012)' [Casa da Escrita, Coimbra, de 7 a 28 de Junho de 2013] >


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/bruno-neiva-the-museum-of-boughs

The museum of boughs (boughs: 1 room)

bruno neiva

Sinopse > “The museum of boughs” é um museu itinerante em construção dedicado aos ramos, onde são exploradas várias disciplinas artísticas. A partir de um elemento natural, os ramos, são construídos ambientes artificiais através de instalações intermedia. O museu começou por apenas ocupar uma sala com uma instalação. Todas as salas que se seguem são extensões da primeira.  “The museum of boughs” é também uma alusão ao poema “In a Station of the Metro” de Ezra Pound e ao “Museu de arte Moderna, Departamento das Águias”, de Marcel Broodthaers. “The museum of boughs (boughs: 1 room)” é uma instalação intermedia composta por três elementos/media dispostos numa sala: o som de um metro em andamento, um cubo pendurado do tecto e alguns ramos quebrados e espalhados pelo chão, colocados por debaixo do cubo. Sobre as faces do cubo estão impressas três fotos a preto-e-branco de ramos submersos, alteradas digitalmente, e três textos cut-up. Como resultado, é estabelecida uma tensão entre objectos, representação gráfica, som e metalinguagem.

Imagens >

Centro Torrente, Ferrol, Espanha, 12/09/2014 - 16/11/2014. Instalação de arte finalista do 23º Prémio Internacional de Gráfica Máximo Ramos.

Vídeo >


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/tridimensionais/antonio-barros-valsamar

Valsamar

António Barros

Valsamar, 2005-2010 • Museu da Água, Coimbra, Festival das Artes, 2010 | Line Up Action, Casa das Caldeiras, Universidade de Coimbra [Foto: João Armando Ribeiro].


Salette Tavares: Poesia Espacial | 17 de outubro 2014 a 25 janeiro 2015 | Galeria de Exposições Temporárias

Imagens disponibilizadas pelo CAM para divulgação da exposição >

  • Peixe, 1949/55 [Jarra de cerâmica; Alt. 45 cm Ø 16,5 cm; “De enorme a rede não prende a luz do dia” Verso do poema "Epitalámio”, do livro Quadrada, Moraes Soares. Col. Guilhermina Tavares Aranda Bento - Fotografia de Paulo Costa]
  • Aranhão, 1978 [Serigrafia sobre papel; Edição  18/100; 70,2 x 61,3 cm; Assinado e datado, canto inferior direito"Salette Tavares 78"; Col. Espólio Salette Tavares - Fotografia de Paulo Costa]
  • Supermarket, 1978 [Acrílico transparente e três ratoeiras de madeira e arame; 27,3 x 18,3 x 9,5 cm; Col. Espólio Salette Tavares - Fotografia de Paulo Costa]
  • Réplica da obra BAILIA, 1979-2014 [Cobre metalizado cromado; Dimensões variáveis; Inv. 14E1754; Col. CAM - Fundação Calouste Gulbenkian - Fotografia de Paulo Costa]

E. M. de Melo e Castro - Vários objectos poéticos, a partir do Catálogo da exposição O caminho do leve, Serralves.

anarquivo/texto-espaco/melocastro

Conteúdos >

  • a transparência multiplica, 1964
  • duplicado / anulado, 1966
  • flor, 1965
  • máquinas leves, 1963-2005; 1967-2005
  • objecta, 1961-68
  • objecto poemático de efeito progressivo, 1962
  • object poematique, 1965
  • penta, 1968
  • poem a / a poem, 1965
  • poemetre, 1968
  • quaseinfinitopoema, 1964
  • sinal e perspectiva, 1964
  • triangle, quadriopen, 1966

> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/planograficas/gabriel-rui-silva-poesia-visual

Gabriel Rui Silva, Homenagem a Bocage


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/planograficas/antonio-dantas-ao-artista-basta-se-lo

António Dantas | Título: Ao artista basta sê-lo | Data: 2014 [Descrição: poema-objecto; selo postal com inscrição "Ao artista basta sê-lo"; fotografia ['selfie'] do autor.]


> http://po-ex.net/taxonomia/materialidades/planograficas/jose-alberto-marques-operacao-1-homeostatos

José-Alberto Marques, Texto matérico [Objecto]; Poemas dispersos reunidos em I'man


CODA 1 :: INTERVENÇÃO - Construir o poema / Destruir o objecto


CODA 2 :: INTERVENÇÃO - Leitura e apresentação da Ária à crítica, de Salette Tavares


César Figueiredo, AS... poems what poems?


César Figueiredo, Meat & vegetables (1993)


César Figueiredo; António Nelos, What music for east timor (10-1999)